Desempregado e sem visão de um olho, idoso de Formoso do Araguaia luta para conseguir cirurgia


Walter Francisco, de 63 anos, está sem trabalho há três anos por causa de problemas na visão. Jovem iniciou vaquinha na internet para levantar dinheiro e custear procedimento cirúrgico. Walter Francisco precisa fazer cirurgia nos olhos
Divulgação
Aos 63 anos, Walter Francisco, morador de Formoso do Araguaia, sul do estado, vive uma situação difícil. Com problemas na audição, ele pode perder a visão nos dois olhos caso não faça uma cirurgia. Desempregado, ele não tem condições de arcar com o procedimento, que deve custar mais de R$ 10 mil.
Walter morava em São Paulo e se mudou, junto com a família, para o Tocantins há anos atrás, em busca de mais segurança e qualidade de vida. Trabalhou como motorista, carpinteiro e vigia. Viu a sua vida mudar completamente, quando começou a perder a visão nos dois olhos.
Por causa do problema, ele parou de trabalhar há três anos. Sem emprego, o idoso depende da generosidade de moradores da cidade.
Com dificuldades, ele conversou com o G1 por telefone. “Eu quase não escuto. No olho direito, eu já não enxergo e no esquerdo, eu já perdi cerca de 60% da visão”, comentou.
Walter contou que um morador da cidade custeou a consulta em uma clínica oftalmológica em Gurupi. No entanto, agora ele precisa fazer quatro exames, que custam R$ 1.172. A cirurgia em cada olho, sairá por cerca de R$ 5 mil.
A mulher dele recebe auxílio emergencial, do governo federal. As parcelas, neste ano, serão de R$ 250. O idoso diz que o dinheiro dá para pagar poucas contas, como água e energia. “Eu quero fazer para conseguir trabalhar, ainda faltam dois anos para eu me aposentar”, disse ele.
A jovem Stefane Muniz e a mãe, moradoras de Formoso do Araguaia, ajudam a família com cestas básicas. Ela se comoveu com a situação de Walter e lançou uma vaquinha nas redes sociais para tentar levantar o dinheiro. O objetivo é arrecadar R$ 11 mil.
O médico oftalmologista Rafael Lopes de Sousa disse que a última consulta do paciente foi em abril e, na época, ele já apresentava uma piora na visão, principalmente no olho direito. O problema não resolve com o uso de óculos.
“No primeiro momento, eu vi que ele tem uma catarata muito avançada no olho direito e uma catarata avançada no olho esquerdo, mas nesse olho, ele consegue enxergar um pouco. Eu pedi alguns exames para ver se tem algo a mais. Sendo apenas a catarata, ele tem tudo para voltar a enxergar. Mas, pode ser que tenhamos surpresa de alguma doença no fundo do olho, que também esteja ajudando nessa baixa de visão”.
As cirurgias de catarata são feitas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), mas o procedimento é considerado eletivo e está suspenso no sistema público de saúde, desde o início da pandemia.
O oftalmologista destacou que o tempo é importante na eficácia da cirurgia.
“Inclusive, é um ponto importante, pois muitos idosos, por medo e ansiedade, acabam deixando pra operar apenas quando o caso está muito avançado. E quanto mais avançado, mais difícil é a cirurgia, o ideal é operar já quando os sintomas da visão embaçada iniciam e quando ainda está um quadro de leve a moderado”, finalizou.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.