JBr Saúde #012 – O duro relato de um sobrevivente da covid

JBr Saúde

Quase um ano depois de quase ter morrido vítima da covid-19, o jornalista Jorge Eduardo Antunes ainda sofre com sequelas inexplicáveis, sem a certeza sobre se elas serão permanentes ou não. A covid trouxe para ele um quadro de epilepsia, algo de que ele não sofria antes. Ela já teve vários episódios de convulsão. Até hoje não voltou a dirigir pelo risco de sofrer um episódio e provocar um acidente. E sua mulher, Andreia, teve de alterar sua rotina para ficar sempre ao lado dele.

As dúvidas e mistérios relacionados à doença que impactou o planeta são a principal motivação do trabalho a que Jorge agora se dedica. No dia 9 de agosto, será lançado o livro “Sobrevivi”, onde ele relata a sua dura experiência com a doença provocada pelo novo coronavírus. O livro é o primeiro de uma série intitulada “Sobreviventes”, que reunirá relatos como o de Jorge, de pessoas que desceram ao inferno da doença e conseguiram voltar de lá. E parte da renda arrecadada com a venda dos livros se destinará a programas de pesquisas sobre a doença e seu tratamento. Justamente para ajudar a desvendar mistérios como a epilepsia herdada pelo jornalista.

Jorge Eduardo é o entrevistado do JBrSaúde desta semana, o programa semanal feito em parceria entre o Jornal de Brasília e o grupo Imagem&Credibilidade, que vai ao ar todas as quintas-feiras apresentado por Estevão Damázio.
A descida de Jorge Eduardo ao inferno da covid deu-se no dia 9 de agosto do ano passado. Jorge conta que vinha tendo todos os cuidados de distanciamento recomendados. Mas, em um determinado momento, aceitou participar de um almoço, um compromisso de trabalho, juntamente com sua mulher. E acredita que foi nessa almoço que se contaminou. Ela também se contaminou. E suas duas filhas em seguida. Mas ele foi o único a contrair a doença em seu estado mais grave.

Cerca de oito dias depois de apresentar os primeiros sintomas, em um Dia dos Pais, Jorge viu seu quadro pior de forma súbita. Ele tinha almoçado. Estava tranquilo. E foi tomar sol na varanda, quando começou a ter uma imensa falta de ar. O médico que os atendia por telemedicina recomendou a sua internação. Jorge foi para o hospital, de onde só saiu 60 dias depois.

O quadro no hospital foi se agravando. Dois dias depois de internado, ele perdia sangue pelas gengivas e pelo estômago. Suas plaquetas desceram do normal de 150 mil para 10 mil, como se tivesse um quadro de dengue ou leucemia. Foi para a UTI. Acabou intubado. Pernameceu intubado por 40 dias, em um quadro de semiconsciência com delírios absurdos. Ora ele imaginava que nadava até os Estados Unidos para a posse de Joe Biden que tinha reatado relações com Cuba e agora todos fumavam charutos nas ruas. Ora imaginava estar em uma festa onde, no jantar, todos faziam hemodiálise.

No dia 19 de agosto, os médicos concluíram que Jorge Eduardo iria morrer. Mas, curiosamente, ao contrário, é a partir desse dia que ele começa a se recuperar. Depois dessa primeira internação, ele voltou a estar internado duas vezes. Pegou doenças oportunistas no hospital: dengue hemorrágica, púrpura, contaminação pela bactéria KPC.

Quando acordou, tinha desaprendido a falar, a mastigar, a engolir. Não andava. Não controlava suas funções vitais. “Era um bebê”, conta ele. Foi um longo e doloroso processo até a volta a algo próximo do normal. Próximo, porque ainda há sequelas.

“Não há nada, nada, que possa justificar a facilitação de uma situação dessas”, diz Jorge Eduardo. “Quem de forma consciente se aglomera, não toma os devidos cuidados sanitários, ou promove aglomerações, joga um jogo insano com uma doença absolutamente imprevisível”, continua. Esse é o alerta de Jorge Eduardo no livro que está escrevendo, cujos primeiros detalhes contou nesta entrevista exclusiva ao JBrSaúde.

O post JBr Saúde #012 – O duro relato de um sobrevivente da covid apareceu primeiro em Jornal de Brasília.


Leia matéria na íntegra no Site Portal de Brasília

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.