Acusado de matar médico dentro de posto de saúde em Santa Rosa irá a júri popular


Hanilton Bosso Araújo confessou o crime e responde pela morte de Ricardo Maciel Catuladeira Miranda em liberdade. Ministério Público e Defesa de Bosso pediram que ele fosse julgado por lesão corporal seguida de morte ao invés de homicídio qualificado, mas juíza negou. Momento em que suspeito foge da unidade
Reprodução
A Justiça decidiu que Hanilton Bosso Araújo irá a júri popular pela morte do médico Ricardo Maciel Catuladeira Miranda, assassinado dentro de um posto de saúde em Santa Rosa do Tocantins, em dezembro de 2020. A decisão foi tomada na noite desta quarta-feira (14) pela juíza Edssandra Barbosa da Silva Lourenço, da 1ª Escrivania Criminal de Natividade.
A magistrada é a mesma que revogou a prisão de Bosso e permitiu que ele respondesse pelo crime em liberdade. Nesta quanta, a juíza optou por manter ele solto até que o julgamento seja marcado, ainda não há data para que isso aconteça.
No processo, consta a informação de que tanto a defesa de Hanilton Bosso como o Ministério Público do Tocantins, que fará a acusação no julgamento, pediram mudanças no processo. Os dois queriam que o acusado fosse julgado por lesão corporal seguida de morte ao invés de homicídio qualificado. A juíza negou os pedidos alegando que competência para definir essa questão é do tribunal do júri.
Em caso de condenação, a pena para casos de lesão corporal seguida de morte tende a ser menor que a de casos de homicídio.
Médico Ricardo Maciel Catuladeira Miranda foi assassinado dentro de hospital
Arquivo pessoal
Para a Justiça, Hanilton Bosso alegou legítima defesa o crime. Ele afirmou em interrogatório que “ao perceber que a vítima levou a mão em direção a uma faca que estava em cima da geladeira, apressou-se e pegou o referido instrumento, porém, não esclareceu se a vítima conseguiu armar-se d eoutro instrumento ou, ainda, se continuou as investidas contra o acusado”.
O laudo necroscópico concluiu que Ricardo Maciel foi atingido por oito facadas ao todo, pelo menos seis delas na região dos órgãos vitais. A defesa usou os argumentos do réu para tentar conseguir uma absolvição, mas a juíza também negou o pedido.
“não restou categoricamente demonstrado pela prova produzida no presente feito que o acusado usou moderadamente dos meios de que dispunha para repelir a alegada injusta agressão o que torna impossível a sua absolvição sumária por legítima defesa”, escreveu.
Crime aconteceu na Unidade Básica de Saúde (UBS) da Família de Santa Rosa do Tocantins
Ana Paula Rehbein/TV Anhanguera
O caso
O médico Ricardo Maciel Catuladeira Miranda tinha 55 anos. Ele é carioca e trabalhava na unidade de saúde de Santa Rosa há um ano como clínico geral e fazendo ultrassons, recebendo R$ 26 mil. Ele foi morto a facadas na unidade no dia 1º de dezembro de 2020. Hanilton Bosso Araújo foi filmado no momento em que deixava o local com as pernas e pés ensanguentados, ele foi preso no dia seguinte, na cidade vizinha de Silvanópolis.
Médico é morto dentro de uma unidade de saúde em Santa Rosa
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.