Período de queimadas teve quase três mil atendimentos e R$ 4,6 milhões em multas, aponta balanço


Comitê de Combate a Incêndios apresentou balanço do trabalho realizado em todo o estado. Este ano houve redução de 12,9% na quantidade de focos, em relação a 2019. Entidades ambientais do TO registram mais de 3 mil casos de incêndio atendidos
O Comitê de Combate a Incêndios divulgou o balanço das ações realizadas em 2020. Quase três mil atendimentos foram realizados em todo o estado e mais de R$ 4,6 milhões de multas foram aplicadas. O pedido do Ministério Público Estadual é que haja uma antecipação do planejamento de ações voltadas ao controle e prevenção das queimadas para evitar que os números cresçam no ano que vem.
O balanço do trabalho realizado pelos órgãos de combate ao fogo, fiscalização e prevenção do meio ambiente, foi apresentado no auditório do Palácio Araguaia, nesta quarta-feira (19). O presidente da Assembleia Legislativa Antônio Andrade (PTB), que assumiu o comando do Poder Executivo após o governador Mauro Carlesse (DEM) e o vice Wanderley Barbosa saírem de férias, participou do evento.
O fogo que devastou quilômetros de áreas verdes esse ano no Tocantins foi avassalador. Mas, apesar dos prejuízos, o número de focos registrados até agora é 12,9% menor do que no ano passado. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), de janeiro até esta quarta-feira, foram 11.786 focos registrados no estado. Em 2019, foram 13.308.
“Teve muita ação integrada de fiscalização, a parte de prevenção foi focada no seguinte sentido, se a gente tiver muitos focos de incêndio a gente vai ter risco para a saúde, porque gera fumaça e o sistema de saúde já estava bem sobrecarregado com a questão da Covid”, explicou o superintendente da Defesa Civil Estadual, tenente coronel Erisvaldo Alves.
Serra do Lajeado foi uma das mais atingidas por incêndio neste ano
Reprodução/TV Anhanguera
Juntos, órgãos, como Corpo de Bombeiros, Ibama e Naturatins, além das brigadas municipais, atenderam 2.901 ocorrências de queimadas. Segundo o Comitê, nos últimos meses, a fiscalização foi intensificada, resultando em 318 autos de infração e notificações aplicadas. Tudo isso somou mais de R$ 4, 6 milhões em multas.
De acordo com o levantamento divulgado pela Defesa Civil do Tocantins, o trabalho de combate às queimadas termina com Lagoa da Confusão (771), Formoso do Araguaia (704) e Goiatins (577) no topo da lista entre os municípios que registraram mais focos de queimadas.
Entre as equipes que atuaram em várias partes do estado, estavam homens do Exército. O comandante do 22º Batalhão da Infantaria do Exército, coronel Carlos Gabriel Brush afirmou que agora o trabalho para preservar o meio ambiente, continua.
“O decreto continua funcionando, embora tenha vocacionado muito as nossas ações para o combate a incêndios, nós ainda estamos atuando no combate a ilícitos ambientais”.
O Ministério Público cobra que o Poder Público já comece a se organizar para 2021. “O Ministério Público já instaurou procedimento para poder averiguar a situação das estruturas nos municípios relacionadas a essa área de Defesa Civil Municipal, e também de brigadas de combate a incêndios para que os municípios possam, já no início do ano, terem todas as condições de se organizar para combater o fogo nesse momento mais crítico”, enfatizou o procurador de Justiça José Maria da Silva Júnior.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.