Fazenda é interditada por suspeita de alimentar o gado com produto que pode causar doença da vaca louca


A chamada ‘cama de frango’ tem proteína de origem animal e é proibida por lei no Brasil. Caso a denúncia seja confirmada, animais da propriedade serão abatidos. Fiscais da Adapec coletaram a substância nos cochos para fazer análise
Divulgação/Adapec
Uma fazenda em Babaçulândia, norte do Tocantins, foi interditada, nesta quarta-feira (30), após a Agência de Defesa Agropecuária (Adapec) receber denúncia de que o gado era alimentado por uma substância, que pode causar a doença da vaca louca. A ‘cama de frango’ é um tipo de substância proibida por lei no Brasil, por contar proteína de origem animal.
A cama de frango é normalmente composta de palha de arroz, serragem, e juntamente com fezes, urina, restos de ração e penas que se misturam, caracterizando um produto de origem animal.
“Realizamos uma fiscalização no local e o produtor foi orientado a suspender o fornecimento aos animais. Coletamos amostra do produto encontrado nos cochos e encaminharemos para o laboratório oficial do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em Minas Gerais, e, caso seja confirmada a presença de proteína de origem animal, será realizado o abate sanitário dos animais.” explicou o gerente de sanidade animal da Agência, Sérgio Liocádio.
Propriedade rural foi interditada e animais poderão ser abatidos, caso comprove uso de alimentação ilegal
Divulgação/Adapec
A doença da vaca louca é neurodegenerativa, fatal em bovinos. Além disso, pode ser transmitida ao ser humano por meio do consumo de carne infectada. “Ela é uma doença que não possui tratamento ou vacina, por isso, a melhor forma de prevenção é tomar os devidos cuidados com a alimentação dos animais, principalmente aqueles em confinamento”, disse o presidente da Adapec, Alberto Mendes da Rocha.
A principal forma de transmissão da doença está associada ao uso de proteínas de origem animal, como por exemplo, farinha de carne e ossos na alimentação dos ruminantes. No Brasil, é proibido o uso de proteína animal na fabricação de ração para bovinos.
Os animais acometidos pela doença podem apresentar comportamento agressivo, nervosismo, dificuldade de coordenação, diminuição da produção de leite e perda de peso. A doença é fatal e o animal pode morrer entre duas semanas e seis meses após os sintomas.
O Brasil possui status sanitário de risco insignificante para doença, desde 2013, segundo a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.