Jovem cria rifas para custear tratamento contra ceratocone

A jovem Lara Landim, 27, sofre de uma séria doença ocular. Há 11 anos, ela foi diagnosticada com ceratocone. O tempo passou, o problema foi avançando, e agora Lara precisa passar por uma cirurgia o quanto antes para tentar estabilizar o problema que pode até causar cegueira.

Resumidamente, o ceratocone afeta a estrutura da córnea (tecido transparente localizado na parte anterior do olho). A doença faz com que a parte central da córnea seja reduzida aos poucos e empurrada para fora. No caso de Lara, o olho esquerdo apresenta uma mancha branca que caracteriza uma inflamação. Isso quer dizer que a jovem já enfrenta o último estágio da doença. “Eu enxergo como se tivesse por trás de um vidro embaçado”, conta.

Mesmo com o problema grave, Lara tenta encarar a situação com ânimo. Ela afirma que o problema já arrancou risadas de amigos por várias vezes. “A lente do olho esquerdo pulava para fora porque já não encaixava bem [por conta da córnea projetada à frente]. Sempre que acontecia, era uma verdadeira novela para achar. Todo mundo parava o que estava fazendo e ia procurar comigo. Já perdi ela no gramado do Pontão do Lago Sul e depois encontrei intacta”, relembra. “A cena era boa, sabe?!”, conta, aos risos.

Desde que descobriu o ceratocone, Lara teve que pagar por lentes de contato anualmente. “A lente mais barata que eu paguei na vida foi 800 reais o par”, conta. O preço médio das lentes é de R$ 1 mil. “Devido a problemas financeiros, eu reconheço que não cuidei como deveria. Já demorei três anos pra trocar de lentes, por exemplo.”

Crosslinking

Lara precisa fazer um transplante de córnea no olho esquerdo e um procedimento chamado crosslinking no olho direito, para tentar evitar a progressão do ceratocone e impedir que os dois olhos sejam atingidos. A jovem já aguarda cirurgia pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para transplante de córnea, mas o SUS não oferece o crosslinking.

Sendo assim, para o segundo procedimento, a solução será recorrer à rede privada. O crosslinking custa caro. Somando cirurgia, lente de contato para o olho direito, medicamentos e consultas pós-operatório, estima-se que o custo total será de aproximadamente R$ 10 mil.

Desempregada, sem condições de custear a cirurgia e temendo a perda da visão, Lara decidiu criar duas rifas para tentar pagar pelo procedimento. Cada rifa irá sortear um kit com vários prêmios. Ambas custam R$ 30. Confira os itens contidos em cada kit:

Kit 1 (R$ 285 em prêmios):

Um voucher de R$ 55 na loja Ateliê Capim Limão (@atelie_capimlimao)
Duas cortesias para um jantar na churrascaria Buffalo Bio (não inclui bebidas e sobremesa)
Um vinho Mateus Rosé
Duas taças de vinho

Kit 2 (R$ 304 em prêmios):

Um kit com oito itens da loja A Vida é Doce (@avidaedocee)
Um voucher de R$ 25,99 na loja Drink Beer (@drinkbeerdf)
Um caderno inteligente tamanho A5
Um café e uma caixa de cookies da loja Antonieta Café (@antonietacafe)
Uma máscara facial confeccionada WPhilipe (@wphilipe)
Um plant hanger em macramê da loja Ateliê da Alle (@atelie_da_alle)

 

Para participar da rifa, basta escolher um número de 1 a 200 e fazer o pagamento/transferência e enviar o comprovante para Lara (ver contatos e dados bancários no fim da matéria). O sorteio ocorrerá daqui a dois meses, no dia 15 de novembro.

DEBORA LARA LANDIM DA SILVA

Telefone/WhatsApp: (61) 98307-8419
Instagram: @laralandim
PicPay: @lara.landim

Contas:

BANCO NEXT – 237
Agência: 3728
Conta: 250551-7
CPF: 046.061.071-62

NUBANK – 260 (NU PAGAMENTOS)
Agência: 0001
Conta: 42149067-1
CPF: 046.061.071-62

Leia matéria na íntegra no Site Portal de Brasília

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.