Funcionários da Prefeitura do Rio de Janeiro fazem plantão em hospitais para a impedir reportagens

Funcionários públicos da cidade do Rio de Janeiro fazem “plantão” na frente de unidades de saúde municipais para impedir que jornalistas e cidadãos denunciem problemas nos hospitais ou na gestão da saúde municipal. As informações são do site G1.

Em duplas ou sozinhos, os funcionários batem o ponto na frente de hospitais municipais mandando fotos para comprovar a presença em um grupo no WhatsApp nomeado “Guardiões do Crivella”, criado em março de 2018, numa alusão ao prefeito Marcelo Crivella (Republicanos).

A função desses servidores é dificultar o trabalho de jornalistas ao contradizer e constranger cidadãos para que desistam de conceder entrevista aos repórteres. Os funcionários são organizados e recebem as escalas por meio de três grupos no WhatsApp: “Guardiões do Crivella”, “Plantão” e “Assessoria Especial GBP” [Gabinete do Prefeito].

Em um vídeo, o repórter Paulo Renato Soares, do site G1, é interrompido por José Roberto Vicente Adeliano, funcionário da prefeitura desde novembro de 2018, enquanto entrevista um homem que perdeu o dedo e havia sido atendido no Hospital Salgado Filho, no Méier, bairro da zona Norte do Rio de Janeiro.

Adeliano diz repetidamente que tudo vai bem com a saúde na cidade e chega a perguntar ao entrevistado se ele não foi bem atendido no hospital. Questionado pelo repórter sobre ser funcionário da prefeitura, ele não nega e se reserva a dizer que está trabalhando. Enquanto isso, Ricardo Barbosa Miranda, funcionário da prefeitura desde junho de 2018 e dupla de “plantão” de Adeliano, filma tudo com um celular.

Adeliano e Miranda recebem, respectivamente, R$ 3.229 e R$ 3.422 para vigiar os hospitais. Ambos aparecem em uma foto confirmando presença em frente ao hospital onde, mais tarde, seriam filmados tentando atrapalhar entrevistas.

Pelo menos quatro funcionários da prefeitura foram identificados no esquema. Destes, três têm cargo especial e um é assistente.

Os funcionários são cobrados pela pontualidade. Em uma ocasião, quando uma dupla se atrasa e perde a gravação de um repórter, um contato identificado como “ML” pede para que outro membro do grupo ligue para “a equipe do Rocha”, em referência ao Hospital Rocha Faria.

Após a bronca, além da dupla designada para o local, outra dupla também se apresenta para atrapalhar o trabalho da imprensa. O contato identificado como “ML” diz que a equipe falhou e que isso é “inaceitável”. Os funcionários afirmam, em resposta, que conseguiram atrapalhar as entradas ao vivo do repórter.

“ML” é a identificação de Marcos Paulo de Oliveira Luciano, assessor especial do gabinete do prefeito, com salário de R$ 10,5 mil e homem próximo de Crivella, que chegou a trabalhar com o prefeito como missionário na África e no Nordeste do Brasil. Luciano também foi um dos coordenadores da campanha de Crivella para a concorrer ao cargo.

Alguns dos funcionários que participam do grupo relatam terem sido intimidados e ameaçados com demissão. Além disso, contam que nas reuniões de equipe, que acontecem na prefeitura, é proibido entrar com celulares e os funcionários são inspecionados até mesmo com detectores de metais.

A prefeitura do Rio de Janeiro não nega a existência dos grupos e alega que reforçou o atendimento em unidades de saúde municipais para “melhor informar a população”.

As informações são da FolhaPress

Leia matéria na íntegra no Site Portal de Brasília

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.