Prefeitura de Palmas requisita leitos particulares para atender rede pública; Sindicato fala em confisco da estrutura


Foram requisitados 18 leitos clínicos que serão utilizados conforme a necessidade. Prefeitura disse que medida é amparada por lei e vai pagar diária de R$ 1,7 mil. Paciente internada em leito hospitalar
Prefeitura de Palmas/Divulgação
A Prefeitura de Palmas requisitou 18 leitos clínicos particulares para atender pacientes com quadro de Covid-19 pela rede pública de saúde. Segundo o município, a partir deste sábado (25) as novas vagas darão suporte ao atendimento das Unidades de Pronto Atendimento de Palmas. As requisições foram publicadas no Diário Oficial do Município (DOM) nesta sexta-feira (24).
Palmas é a segunda cidade mais afetada pela pandemia no Tocantins. São 4.189 diagnósticos de Covid-19 e 31 mortes de moradores que estavam com a doença.
Segundo a prefeitura, foram requisitados sete leitos do Hospital da Unimed, nove do Hospital Palmas Medical e mais dois do Hospital Santa Thereza. O uso será de acordo com a demanda e o pagamento deverá ser feito semanalmente. A diária será de R$ 1,7 mil.
A publicação sobre o Hospital da Unimed aparece no Diário Oficial com nove leitos requisitados, mas a prefeitura informou que o número correto será publicado em uma nova edição do DOM.
O governo do estado chegou a anunciar uma medida semelhante para vagas de UTI, mas só conseguiu os leitos após abrir um credenciamento e prometer pagar mesmo quando os leitos estivessem desocupados. Além de pagar taxa extra por cada internação.
Em nota, o Sindicato dos Hospitais e Estabelecimentos de Saúde do Tocantins (SINDESSTO) tratou a medida do município como um confisco de leitos. “Cada unidade particular é independente e realiza a contratação com o Município de forma autônoma. Ressaltamos que a regulação e o controle interno também é de responsabilidade dessas unidades e está de acordo com a capacidade desses estabelecimentos”, diz nota.
A prefeitura informou que a requisição é amparada por lei e que pagará somente pelos leitos utilizados. Segundo o município, a medida foi tomada porque a Secretaria de Saúde abriu edital para credenciamento de hospitais, mas não houve manifestação por parte de nenhuma unidade particular.
Novos leitos nas UPAs
Segundo a prefeitura também foram instalados 21 novos leitos de estabilização nas UPAs exclusivos para atendimento de casos suspeitos ou confirmados de coronavírus. Ao todo, a rede de saúde do município contará com 39 novos leitos (18 leitos clínicos e 21 leitos de estabilização) para atender pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).
Os leitos de estabilização são utilizados para normalizar o estado do paciente e depois encaminhá-lo para alta clínica ou hospitais maiores. Os leitos clínicos também são utilizados para estabilizar o paciente, mas possuem uma estrutura maior que permite ficar mais tempo com o paciente até a estabilização ou encaminhamento para UTI.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.