CPI das Fake News quer investigar conteúdo das contas ligadas ao gabinete do ódio

Após 88 contas, páginas e grupos controlados pelo chamado gabinete do ódio, o presidente da CPI das Fake News, senador Angelo Coronel, afirmou que quer investigar o conteúdo das mensagens que os perfis propagavam.

“Não vamos fazer um pré-julgamento. As contas foram retiradas do ar por serem consideradas inautênticas. Agora, é importante ter acesso ao conteúdo, para investigar se elas disseminaram mensagens difamatórias”, declarou Coronel, ao jornal Extra.

As contas eram controladas especificamente por funcionários da Presidência da República e dos gabinetes do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e dos deputados estaduais Alana Passos e Anderson Moraes, ambos do PSL do Rio de Janeiro.

Houve remoção nas redes sociais Facebook e Instagram. No primeiro, o gabinete do ódio tinha 14 páginas, 35 contas pessoais e um grupo. No segundo, foram identificadas 38 contas irregulares. Ao todo, o grupo mobilizava uma audiência de mais de dois milhões de pessoas.

Assessor especial

Um dos funcionários envolvidos na trama é Tércio Arnaud, assessor especial da Presidência e responsável pela página “Bolsonaro Opressor 2.0”, que era seguida por mais de um milhão de pessoas no Facebook. Já no Instagram, o assessor de Bolsonaro administrava a conta “Bolsonaronewsss”, com 492 mil seguidores. A página era anônima, mas as informações de registro encontradas no código fonte confirmaram que era operada por Arnaud, que já foi funcionário do gabinete de Carlos Bolsonaro.

Outro lado

O vereador Carlos Bolsonaro e o senador Flávio Bolsonaro, ambos filiados ao Republicanos no Rio de Janeiro, criticaram ontem a decisão do Facebook. Em nota, Flávio afirmou que, pelo relatório da rede social, é “impossível avaliar que tipo de perfil foi banido” e se “a plataforma ultrapassou ou não os limites da censura”. O texto ainda diz que “julgamentos que não permitem o contraditório e a ampla defesa não condizem com a nossa democracia”.

Já Carlos utilizou as próprias redes sociais para se manifestar sobre o ocorrido. No Twitter, ele escreveu: “Que tipo de mentiras seriam ditas para derrubar o PT nas eleições de 2018? Bastava apenas dizer a verdade vinda de um povo cansado de ser violentado em todos os sentido!”.

A deputada estadual Alana Passos (PSL-RJ) disse, em nota, que nunca foi notificada pelo Facebook sobre qualquer irregularidade: “Quanto a perfis de pessoas que trabalharam no meu gabinete, não posso responder pelo conteúdo publicado”, afirmou. Com informações do jornal Extra

Leia matéria na íntegra no Site Portal de Brasília

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.