Procurador decide incluir depoimentos de funcionárias fantasmas no pedido para cassar governador


MP eleitoral tinha apresentado pedido em janeiro por suspeita de que Mauro Carlesse cometeu crime eleitoral. Ex-servidoras confirmaram que trabalharam na campanha enquanto estavam lotadas na Secretaria-Geral de Governo. Depoimentos de funcionárias fantasmas serão incluídos no pedido de cassação do governador
O procurador eleitoral Álvaro Manzano informou nesta sexta-feira (15) que vai incluir os depoimentos de duas mulheres que confessaram ter sido funcionárias fantasmas do Governo do Tocantins em 2018 no pedido de cassação de Mauro Carlesse (PHS). O processo está na Justiça Eleitoral desde janeiro e acusa o governador de ter cometido crimes eleitorais na Eleição Suplementar do ano passado.
“A contratação de pessoas pelo governo durante o período eleitoral já é objeto de uma ação que foi movida pelo Ministério Público Eleitoral pedindo a cassação do governador e do vice. Estas pessoas [que prestaram os depoimentos], a gente vai poder eventualmente trazer a este processo mais estes dados que, como eu disse, confirmam aquele fatos que foram narrados na ação.”, disse o procurador.
Pedido do MP Eleitoral é para cassar o mandato de Mauro Carlesse
Reprodução/TV Anhanguera
Os depoimentos em questão foram durante o interrogatório conduzido pelo delegado José Anchieta em Araguaína nesta quinta-feira (14). As suspeitas confirmaram que foram contratadas em março de 2018 e nunca desempenharam funções no Estado. O único serviço desenvolvido teria sido de cabos eleitorais nas duas campanhas do governador Mauro Carlesse (PHS) – na eleição suplementar e eleição de outubro – e da deputada estadual Valderez Castelo Branco (PP).
Outras quatro pessoas foram ouvidas dentro da mesma operação nesta sexta-feira, mas nenhuma delas ficou presa. Esta é mais uma fase da operação Catarse, que apura supostos funcionários fantasmas nos poderes Executivo e Legislativo do Tocantins.
Procurador decidiu incluir os depoimentos no processo que já está em andamento
Reprodução/TV Anhanguera
Outro lado
O Governo do Estado afirmou que não teve acesso ao inquérito da Polícia Civil e que não foi alvo da operação. Disse ainda que não irá comentar os desdobramentos sem ter acesso aos autos.
O governador Mauro Carlesse (PHS) foi questionado sobre o assunto durante uma exposição em Palmas na noite de quinta-feira (14) e também disse desconhecer os fatos. “Eu não sei ainda. Eu não vi ainda, não posso te informar. A gente vai procurar saber e depois passar as informações para vocês, porque eu não tenho esse conhecimento”.
A deputada estadual Valderez Castelo Branco disse que não foi informada oficialmente sobre o assunto. Ela afirmou que, assim que tomar conhecimento dos fatos, se colocará à disposição para esclarecer às dúvidas.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *