‘Que seja feita a Justiça’, diz sobrinha após julgamento do acusado de matar Heidy Aires ser adiado


Júri popular seria realizado nesta quinta-feira (14), mas foi adiado porque a Justiça do Tocantins não conseguiu encontrar duas testemunhas. Crime aconteceu em dezembro de 2014. Família protesta após e julgamento de condenado pela morte de professora ser adiado
O julgamento de Allan Moreira Borges, acusado de matar a esposa Heidy Aires, foi adiado e a decisão deixou a família da vítima indignada. O crime aconteceu há 4 anos e a sobrinha lamenta a demora do julgamento. “Só isso que a gente pede. Que seja feita Justiça. Por ela e por todas as mulheres. As que foram assassinadas e as que podem ser assassinadas”. (Veja o vídeo)
Heidy Aires Leite Moreira foi morta a golpes de faca em dezembro de 2014. Ela tinha 34 anos e o corpo dela foi encontrado dentro de casa por familiares.
O júri popular seria realizado nesta quinta-feira (14), mas foi adiado porque a Justiça do Tocantins não conseguiu encontrar duas testemunhas. O julgamento foi remarcado para o dia 18 de junho deste ano. Por causa da mudança, os parentes e amigos da vítima fizeram um protesto na frente do Fórum de Palmas.
“Para adiar um julgamento foi muito rápido, mas para marcar a data demorou quase quatro anos. E a gente fica com o questionamento. O que está acontecendo com a nossa Justiça?”, reclamou o irmão da vítima, Paulo Oliveira.
Parentes fizeram protesto
Reprodução/TV Anhanguera
Emocionada, a tia da vítima, Maria do Amparo também reclamou do adiamento. “Esperar quatro anos e chegar na hora, ser suspenso”, disse.
Alguns familiares saíram de outros estados para acompanhar o julgamento em Palmas, mas ele não aconteceu. A tia Marilde Aires conta que a população aguarda a prisão do principal suspeito. “Não é só a família. É toda a sociedade que espera a justiça ser feita em relação a uma morte bruta e premeditada”, reclamou.
Familiares pedem que caso Heidy Aires seja solucionado
Reprodução/TV Anhanguera
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *