Moradores de quadras em Palmas vivem sem asfalto e iluminação pública


Outro problema na quadra 607 Sul é o mato alto, que vira refúgio para criminosos. Moradores reclamam que prefeitura e estado ficam empurrando a responsabilidades. Com lama por todo lado, moradores pedem asfalto na avenida LO-13
Os moradores da quadra 607 Sul vivem sem asfalto e iluminação pública. Para piorar a situação, o mato alto aumenta o risco de crimes na região. O fotógrafo João Pedro Monteiro conta que foi assaltado quatro vezes e sente que os moradores vivem abandonados. “Pessoal se esconde dentro do mato para entrar nas casas. já aconteceu comigo quatro vezes”, contou.
O asfalto não existe na avenida LO-13 e nem nas quadras ao redor. “Quanto está no tempo seco é uma poeira horrível, a casa não fica limpa. quando está chovendo e lama o tempo todo. então, são condições insalubres de sobrevivência”, reclamou.
Os moradores da 607 Sul até se mobilizaram para tentar resolver os problemas, mas não adiantou nada. “A gente sempre marca reuniões de na última, que foi no ano passado, tinha inclusive vereadores que disseram estar articulando para agilizar a questão do asfalto, mas quando chega à prefeitura aí jogam para o estado. Quando a gente chega para reclamar no estado eles jogam para a prefeitura”, funcionária pública Lia Leão.
Até para entrar na quadra os moradores enfrentam dificuldades, pois precisam fazer ‘gatos’ no trânsito. Isso porque a entrada da quadra simplesmente não existe.
Além de todos esses problemas, os moradores também enfrentam a falta de iluminação pública. Todas ruas e avenidas são escuras, assim como a LO-13. “Algumas coisas que a gente faz a noite, como andar de bicicleta, deixamos de fazer porque fica muito perigoso voltar para casa em um escuro desse”, afirmou o funcionário público Sebastião Pereira.
“Foi solicitado junto à Energisa, mas jogaram a responsabilidade para a prefeitura, até porque não tem poste de iluminação. A prefeitura joga a responsabilidade para Energisa e fica nesse jogo de quem deve resolver o problema. Acaba que nós ficamos de mãos atadas”, disse a advogada Juliana Oliveira.
Lama, mato alto e falta de iluminação são problemas em quadra de Palmas
Reprodução/TV Anhanguera
Outro lado
A Prefeitura de Palmas informou que uma equipe de engenharia da superintendência de iluminação pública da Secretaria de Infraestrutura e Serviços Públicos será enviada ao local para verificar a situação.
Sobre as reclamações de mato alto e de falta de asfalto, não houve retorno. O governo do Estado, citado na reportagem, deve se pronunciar ainda hoje sobre o assunto.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

Avatar

reporter1

Repórter 1 é um agregador de notícias, um robô que captura automaticamente posts em sites, blogs e grandes portais, economizando seu tempo. Aqui você encontra o caminho mais curto para informações e opiniões relevantes que estão na internet.

1 Comment

  • Avatar

    Julliana Pereira Ribeiro

    (17/01/2019 - 15:23)

    Boa tarde,
    Segue nota com o posicionamento da Energisa sobre a matéria. Qualquer dúvida, nossa assessoria de imprensa está à disposição no contato (63) 9 9232-6569.

    NOTA
    Em relação a iluminação pública, a Energisa reitera que de acordo a Constituição Federal em seus artigos 30 e 149, bem como, a resolução nº 414/2010 da Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL, em seu artigo 21, toda responsabilidade – desde elaboração do projeto, obra de extensão, operação e manutenção das instalações – é da Prefeitura.

    No caso do Tocantins, a iluminação pública sempre foi da Prefeitura, uma vez que quando a concessão foi criada já foi com base na Constituição Federal. E a resolução de 2010 regulamentou os casos anteriores à Constituição.

    Cabe à Energisa arrecadar na conta de energia o valor da taxa de iluminação, que é definido pela legislação municipal, e repassar integralmente à Prefeitura que o utiliza na implantação, manutenção e ampliação do serviço, a exemplo da instalação do poste na rua citada pela reportagem.

    Para realizar a manutenção dos equipamentos, as prefeituras recebem integralmente o valor da Contribuição de Iluminação Pública (CIP), taxa paga junto com a conta de luz e repassada pelas distribuidoras às prefeituras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *