Mulher está há 13 anos em fila de espera por moradia no Tocantins

O déficit habitacional do estado, atualmente, é 70 mil unidades. De acordo com a Secretaria de Habitação 6 mil casas devem ser entregues até 2019. Faltam 70 mil casas para sanar o déficit habitacional no Tocantins
O Tocantins tem atualmente um déficit habitacional de 70 mil unidades. As obras de casas populares paralisadas aumentam ainda mais o tempo na fila de espera. Santana de Sousa está há cerca de 13 anos no cadastro e não conseguiu a casa própria. Ela e o marido sofrem com a instabilidade por não terem emprego fixo e viverem de trabalhos temporários, o que dificulta pagarem o próprio aluguel.
“Nós trabalhamos fazendo bico, mas hoje nós não temos condições de estar pagando os aluguéis que tem aparecido pra gente. Não temos condições. Queria que olhassem para a nossa necessidade, porque verdadeiramente, nós estamos precisando muito, muito mesmo”, comentou.
De acordo com a Secretaria de Habitação, com o andamento das obras, cerca de 6 mil casas estão programadas para serem entregues até 2019.
O Nivaldo de Oliveira está desempregado e mora de favor com mais três pessoas da família em um espaço pequeno que construiu nos fundos da casa do pai. Ele afirma que fez o cadastro para ganhar uma casa em 2011, já são 7 anos na fila de espera.
“Precisava muito dessa moradia porque a gente vive aqui de favor, entendeu? Muito apertadinho aqui, então seria muito importante se a gente ganhasse esse benefício”, comentou.
Obras que já foram iniciadas há muito tempo não foram finalizadas até hoje. O problema influencia no aumento do déficit habitacional que não diminui há mais de dez anos.
No setor Jardim Taquari na área sul de Palmas por exemplo, mais de 400 casas foram abandonadas antes da finalização. Essas unidades receberam na época um investimento de R$ 12 milhões por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).
Em 2016 centenas de famílias invadiram as casas do setor para pressionar o estado a agilizar as obras. No ano seguinte, todos precisaram sair por ordem judicial porque o governo afirmou que iria reiniciar os serviços, mas nada foi feito desde então.
O superintendente de habitação do Tocantins, Quesede Henrique, disse que 340 casas estão prontas para serem entregues ainda esse ano, nos municípios de Palmas, Darcinópolis e São Bento.
“Nós não vamos conseguir resolver um déficit de dez anos só em 2019. Mas nós vamos ter 2020, 2021 e vamos conseguir avançar bem mais”, explicou.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.
População em fila de espera por moradia é afetada com obras paralisadas.
Reprodução/TV Anhanguera

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *