Abusada pelo pai durante 12 anos, jovem relata síndrome do pânico e perda de memória

Só esse ano, a Secretaria de Segurança Pública registrou 183 casos de abusos sexuais contra crianças. A maioria das vítimas tem entre cinco e nove anos. Levantamento aponta que mais de 180 crianças foram vítimas de abusos sexuais no TO em 2018
Uma jovem, de 29 anos, descobriu há pouco tempo que foi abusada pelo pai na infância. Ela relata que os abusos teriam começado no primeiro ano de vida. Quando a moradora de Palmas completou 12 anos, teve síndrome do pânico, por pouco não sofreu um infarto e perdeu boa parte das memórias. (Veja o vídeo)
Ela conta que há pouco tempo começou a fazer terapia e se lembrou dos abusos. “Ele pedia para tocá-lo, ele me tocava. Ele entrava no meu quarto, ele entrava no banheiro quando eu estava”.
Quando as lembranças vieram à tona, a jovem conversou com a irmã e primas, que também relataram abusos cometidos pelo mesmo homem. “Você chega a duvidar de você, você chega a achar que a culpa é sua. Se uma criança fala alguma coisa que possa ter relação com abuso, fique atento porque nunca é brincadeira. Uma criança não inventa esse tipo de coisa, ela não tem uma malícia para inventar esse tipo de coisa”.
O caso não é isolado. Só esse ano, a Secretaria de Segurança Pública registrou 183 casos de abusos sexuais contra crianças. Deste total, 173 são meninas. Só no Hospital Infantil de Palmas, que atende crianças que sofreram violência, foram 105 novos casos esse ano. A maioria das vítimas tem entre cinco e nove anos.
Mulher relata abusos durante a infância cometidos pelo pai
Reprodução/TV Anhanguera
Quase nove em cada 10 casos não chegam a ser denunciados. “Grande parte ocorre na família, então a família tem uma resistência em buscar o atendimento porque não quer responsabilizar o agressor porque é alguém da família. Eu digo que a maioria das crianças não recebe nenhum tipo de atendimento e nenhum tipo de ajuda”, argumenta a coordenadora do Savi do Hospital Infantil, Rosivânia Tosta.
O Ministério Público do Tocantins trabalha para colocar em prática a lei que deve poupar a vítima de fazer o mesmo depoimento várias vezes.
“Nós vamos capacitar as equipes técnicas para que as vítimas sejam ouvidas nos hospitais e essa oitiva, essa escuta especializada, seja encaminhada para os delegados para que, na delegacia sendo possível, a vítima não vai precisar ser ouvida novamente”, argumentou o promotor de Justiça, Sidney Fiori.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.

Leia matéria na íntegra no Portal G1 Tocantins

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *