Suspeitos do assassinato de Patrícia são presos pela polícia civil no interior do Tocantins


Iury Italu Mendanha tinha um relacionamento com Patrícia Aline dos Santos e é o principal suspeito. Silas Barreira foi preso por aparecer em imagens que mostram ele entrando em um carro com a vítima e Iury horas antes do crime. Suspeitos de matar Patrícia Aline são presos
Polícia Civil
Iury Italu Mendanha e Silas Barreira foram presos pela polícia nesta terça-feira (14), em Campos Lindos, interior do Tocantins. Eles são suspeitos do assassinato de Patrícia Aline dos Santos, de 29 anos. A jovem foi encontrada morta em um matagal, perto de um shopping de Palmas. As informações são do delegado Israel Andrade, responsável pelo caso.
Os dois aparecem em um vídeo horas antes de a jovem ser encontrada morta. Nas imagens, gravadas pela câmera de segurança de uma padaria, é possível ver que Iury chega à casa de Patrícia acompanhado pelo amigo.
No vídeo, Iury chega dirigindo e desembarca sozinho do carro. Ele chama Patrícia na porta e os dois conversam por alguns minutos até que o homem, que seria Silas, também desce do veículo. Os três ficam no local por mais alguns minutos e voltam para o carro juntos, desta vez com Iury no banco do passageiro e Patrícia no banco de trás.
A jovem parecia tranquila e chegou a abraçar o suspeito durante a conversa. Amigos de Patrícia disseram à polícia que ela usou a mesma roupa durante todo o dia, o que pode indicar que ela não esperava a visita e não estava preparada para sair de casa. O vestido é o mesmo com o qual ela foi encontrada morta.
Patrícia entrou no carro com ex-namorado e um amigo
Reprodução/TV Anhanguera
Antes de prender os dois, o delegado estava investigando o caso com base nas buscas feitas na casa da vítima e do suspeito. Ele também ouviu testemunhas e amigas de Patrícia afirmaram que ela relatou, por meio de mensagens, que estava com mau pressentimento, um dia antes de ser assassinada. As amigas chegaram a orientar que ela procurasse a polícia, mas ela se negou.
“Inclusive, um dia antes de morrer, em uma das mensagens, ela diz: ‘Amiga, eu estou com um mau pressentimento, eu acho que o Iury vai me matar’. A amiga falou para ela procurar a polícia, ela não quis, falou que não queria que chegasse a esse ponto, que iria deixar”, relatou o delegado.
Dias antes do crime, a jovem também havia pedido ajuda à amiga e afirmou que estava com medo que o namorado a matasse.
O pai de Iury também foi ouvido pela polícia e disse que o filho mandou mensagem se despedindo nesta quinta-feira, dia em que o corpo da jovem foi encontrado.
“O pai não sabe de muita coisa, sabe que ele teve envolvimento com essa moça, namorou. Falou que desconhecia as armas que ele tinha em casa e nos mostrou mensagens que ele enviou se despedindo ontem pela manhã, no dia que o corpo foi encontrado. Disse que não ia mais trabalhar com o pai na loja, que precisava sair da cidade e que depois voltava.”
Corpo de Patrícia foi encontrado em matagal
Arquivo Pessoal
Família da vítima
O primo da jovem, Ivanesio de Oliveira Santos, disse que a família não se conforma. Segundo ele, os parentes não chegaram a conhecer o namorado da vítima, já que o relacionamento era recente. “Foi muito cruel. A gente não se conforma porque ela era muito nova, por causa da forma como aconteceu e porque ela estava morando longe da gente”, disse.
Patrícia morava em Palmas há cerca de um ano e trabalhava como consultora de beleza. O primo disse que a família está assustada.
O crime
A jovem foi encontrada morta em um matagal na última quinta-feira (9), perto de um shopping, na quadra 107 Norte, em Palmas. Dias antes do crime, ela pediu ajuda para uma amiga pelo WhatsApp, afirmando que o namorado queria matá-la. Segundo o delegado responsável pelo caso, Israel Andrade, a jovem foi morta com três tiros.
A Polícia Civil revelou ainda que Patrícia já sofreu violência de um ex-companheiro, com quem morou na capital. “Achamos o boletim de ocorrência que ela registrou junto à delegacia da mulher reclamando que o seu atual companheiro, na época, havia agredido e ameaçado ela de morte. A Justiça deferiu a medida protetiva afastando ele de chegar perto dela, ele descumpriu a medida protetiva, chegou a agredi-la novamente e ameaçá-la. Está tudo registrado”, informou o delegado Israel.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.
Conversas no WhatsApp entre Patrícia Aline da Silva e a amiga em Palmas (TO)
Reprodução/WhatsApp

Essa notícia saiu primeiro no Portal G1 Tocantins
Clique no link acima para saber mais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *